Mimimi, o calo no pé do outro

Em um grupo de tradução do qual faço parte, acompanhei um debate interessantíssimo sobre a criação de soluções na língua portuguesa para nos referirmos às pessoas sem especificar seu gênero. Afinal, há pessoas que não se sentem pertencentes a um só dos dois tradicionalmente admitidos. Entrou no papo a noção de que a nossa língua, além de bela e inculta, é sexista, pois pressupõe o masculino como neutro e o feminino como variante (“eles” pode ser um grupo misto, “elas” só pode ser um grupo feminino). Mas isso é normal, todo mundo entende, todo mundo aceita, sempre foi assim…

Quando se está na posição de plenamente incluído, confortável e aceito, social e culturalmente, é uma atitude bastante insensível acusar quem deseja sentir o mesmo conforto de patrulha, infantilização, bobagem, síndrome de princesinha e outros termos que claramente visam reduzir a dor do outro a nada. Em suma, é fácil gritar “isso é mimimi” quando não é no pé da gente que está o calo. Uma coisa não é correta só porque sempre foi assim e todo mundo já se acostumou. Afinal, por repetição, a gente se acostuma com todo tipo de injustiça, não é? Se o incômodo existe, precisa ser resolvido.

Tem uma lição que aprendi recentemente (e não sem dificuldade, já que também faço parte de alguns grupos privilegiados, enxergar o próprio privilégio raramente é fácil e a gente dá muita mancada no processo). Quando ouço uma pessoa de um grupo social ao qual eu NÃO pertenço dizer que se sente muito mal representada por nossa cultura, padrões estéticos, linguísticos e afins, eu me calo, escuto e tento aprender alguma coisa com o que ela está me dizendo. Se for para falar, faço perguntas para entender melhor ou proponho alguma solução sem acusá-la de “querer demais”. O incômodo dessa pessoa não é menos legítimo só porque não é sentido por mim. Tentar entender o que ela sente e o porquê de suas reivindicações é um exercício de empatia que me torna melhor companhia para mim mesma e para os outros, tanto aqueles que são iguais a mim quanto os que são diferentes.

Fica a dica.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s