Duas teorias.

Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é. (Levítico 18:22 ACF)

Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus. (1 Coríntios 6:9-10 NVI)

A Bíblia condena a homossexualidade masculina (além de colocá-la no mesmo patamar de infâmia que o latrocínio e a trapaça…). Mas que eu saiba não diz nada sobre a feminina. OK, sei que esse negócio de “homossexuais passivos ou ativos” pode se aplicar tanto a gays como a lésbicas. Mas reparem que não há nada ali como “com mulher não te deitarás, como se fosse homem”. Normalmente a expressão é aplicada quando se fala de homens, certo? Ah, como são chatos esses rótulos. Me corrijam os mais doutos. Estou prontinha para errar.

Pra quem tá caindo aqui de pára-quedas, não sou cristã e não sigo nada da Bíblia, mas respeito os religiosos, desde que eles me respeitem. Também quero paz na terra para gays e héteros de boa vontade, igualmente. A minha dúvida é: para a Bíblia, homem com homem não pode, mas e mulher com mulher? Não existe?

Tenho duas teorias.

Uma é que as pessoas que inventaram essas regras sofriam de um machismo tão fabuloso que achavam que as mulheres sequer teriam imaginaçao para fazerem sexo umas com as outras. 😛

Outra é que a intimidade física entre mulheres é algo muito sutil.

Mulheres vivem em grupinhos, se elogiando e se paparicando (tirando os grupos inamistosos e invejosos, onde umas se dedicam a esculhambar as outras). Uma mulher pode pegar na mão da amiga, acariciar seu cabelo ou deitar a cabeça no seu colo, inclusive em público, sem ser lésbica. Entre homens, tudo isso é considerado gay. Fazem, no máximo, para constranger um amigo. Homens hétero manifestam sua afetividade de jeitos muito diferentes daquele das mulheres. Conheci uns pouquíssimos héteros que admitiam já ter abraçado e beijado um amigo na bochecha por estar com saudade. Homens heterossexuais não andam de mãos dadas no shopping, não fazem trancinhas nos cabelos uns dos outros nem dizem: “Nossa, sua pele é tão linda!”

O limite entre admiração e desejo é muito tênue para ser julgado. Afinal, quando é que um elogio vira uma cantada? Quando é que uma pegada na mão ou um carinho no rosto passa a ser sexual?

Talvez por isso mesmo haja mais garotas do que rapazes bissexuais. Se o limite não é muito claro, é fácil ultrapassá-lo aos pouquinhos, sem fazer um escândalo por causa disso. É fácil acariciar uma mulher sem sentir culpa. 😉

E, cá pra nós… culpa pelo quê, mesmo?

Anúncios

31 comentários sobre “Duas teorias.

  1. “…as pessoas que inventaram essas regras sofriam de um machismo tão fabuloso que achavam que as mulheres sequer teriam imaginaçao para fazerem sexo umas com as outras”

    That’s a biiingo, Mila :)- A Biblia fala de homem se deitando com outro homem como se mulher fosse, o que na pratica era dizer que o grande pecado era o homem não assumir seu papel de reprodutor e guerreiro, o que convenhamos, numa comunidade guerreira/pastoral como a dos antigos hebreus, significava menos braços para cuidar dos rebanhos, cavar poço d’água, batalhar contra as tribos rivais, e gerar filhos para continuar com a própria tribo.

    Nesse mundo rústico, as mulheres eram objeto de troca, prendas oferecidas em casamento para cimentar alianças entre famílias e para tomar conta das crianças e dos trabalhos domésticos. Elas não liam, não tinham propriedade, não se expressavam e os antigos escribas colocavam em dúvida a capacidade da mulher ter funções intelectualmente mais altas do que a das crianças que elas deviam produzir e cuidar.

    Nesse ponto de vista, não se pensava que duas mulheres pudessem encontrar um caminho para exprimir sua sexualidade sem a presença de homens.

    • Pois é, Jorge. Sei que os tempos eram outros, mas ainda fico pasma com a falta de imaginação das pessoas. 😛

  2. Há ainda o fato de que o sexo praticado entre homens era algo corriqueiro dentre gregos e romanos (mas somente dentre os mais ricos e poderosos! Ah, se era também entre mulheres, não tenho certeza, mas acho até provável!). Ter um efebo não era para qualquer um, embora se diga que Marco Antônio “era mulher de todos os seus soldados”. Alexandre amava Heféstion mais que a qualquer amigo, indo para além disso seu relacionamento com ele. Aquiles, a lenda, amava Pátroclo, que quando morreu pelas mãos de Néstor levou ao que se conhece como Ira de Aquiles. Para alguns, ele era mais que primo de Aquiles. A prática de orgias era culto dionisíaco e festejado com o vinho e excessos, incluindo os homossexuais.
    Era, realmente, a cultura, o politeísmo, os costumes gregos e romanos que realmente se opunham ao judaísmo, extremamente fechado e hermético. As culturas, mas também o choque cultural entre o passado clássico e o cristianismo é a base de todo o escopo cultural atual.
    Até hoje, para uma mãe judia, um filho se enrabichar por uma mulher não judia é motivo alvoroço e desgosto (e daí as muitas piadinhas de “mães judias”, tão ao gosto dos novaiorquinos).
    O homossexualismo era costume tão execrado pelos judeus quanto não guardar os sábados ou comer durante o Ramadam, para os islamistas (vai lá ver o que falam de homossexualismo no alcorão… A mesma coisa!). Culturas milenares que conviveram em períodos históricos longínquos demais para realmente compreendermos, Camila.
    Ler a Bíblia, o mais velho best-seller do mundo, com os olhos de hoje, sem a devida “licença poética” é um erro muito comum em muitos “crentes”, mesmo. Não é menos incomum que isso possa causar desconfortos, confusões e mesmo irritações em não crentes, também.
    Sabia que é muito comum, dentre homens muçulmanos (os do Oriente Médio, não os daqui, muçulmanos ocidentais), andar de mãos dados, nos shoppings, na escola, etc.? E isso não tem nada de homossexual! Na Rússia, dar beijos na boca até, é comum, dente homens? Eita mundão véio de meu Deus, heim! Agora, isso de que o bissexualismo é muito mais comum entre mulheres que ente homens eu não sabia… Abraços.

    • Albarus, práticas homossexuais masculinas eram bastante difundidas entre os gregos e romanos, mas eram malvistas pelos últimos. Gays sempre houve e sempre haverá, mas a visão de cada sociedade e época sobre isso difere muito. Enquanto a sociedade grega via na relação entre homem mais velho e garoto uma coisa de mestre e discípulo (em todas as artes, inclusive as do sexo…), para a romana, ser gay era considerado aviltante. Não tenho uma fonte específica sobre o assunto para apontar agora, o que torna a minha afirmação muito vaga, eu sei! Mas tudo o que já li a respeito me leva a crer que era assim. Júlio César tinha fama de gostar dessa fruta, mas quem lhe atribuía essa fama eram seus desafetos, não seus amigos. Os romanos eram bem diferentes dos gregos nesse ponto (como em muitos outros). Sua sociedade reprovava o amor entre rapazes.

      Eu já tinha ouvido falar do hábito de beijar ou andar de mãos dadas entre homens em outras culturas, sim, Albarus. É muito curioso que só a cultura ocidental padrão considere esses gestos pouco másculos.

      Não sei o que falam de homossexualismo no Alcorão – boa coisa não deve ser. Só posso imaginar aquele monte de mocinhas lindíssimas confinadas nos haréns, entediadas e loucas por alguma novidade… Devia rolar de tudo! 😀

  3. O homem junto com o preconceito, ou ignorância, tornou o amor algo com “destino certo”. Não se pode mais demonstrar afeto por amigos do mesmo sexo, e também não existe amizade pura entre homens e mulheres. Pode parecer uma visão muito idealista de minha parte, mas o amor é saber ressaltar o valor das pessoas, é ver que todos possuem um valor onde não se deve medir o tamanho mas sim lembrar de sua existência, o que pode de fato mudar o mundo. Como vamos consertar um problema se isolamos uma ferramenta poderosa?

    O que é erro e o que não é? Eis uma pergunta que constantemente muda de critérios para ser respondida. Acabei de ver um documentário sobre punições e me deparei novamente com esta questão dos homossexuais serem taxados como “criminosos” ou “com condutas incertas”. Assunto que vem sendo ressaltado desde a idade antiga pela igreja… onde os próprios seguidores desta recomendavam e ensinavam táticas para a pena de morte, e hoje a bíblia é o livro mais “correto” na cabeça de muitas pessoas. Respeito a religião, mas usando os critérios da própria igreja, se somos realmente imagem e semelhança de Deus e se somos seres inferiores a esse Deus como podemos alcançá-lo sem antes respeitarmos a nós mesmos e uma das coisas que nos caracteriza humanos: a capacidade de manifestarmos nossos sentimentos.
    “Os preconceitos são a razão dos imbecis.”
    ( Voltaire )
    Devo ter viajado um pouco, mas foi nisso que filosofei quando li seu texto, mais uma vez me fez pensar muito. Adorei suas teorias.

    • Valeu pela sua contribuição!

      “Não existe amizade pura entre homens e mulheres.” Ouço isso há muito tempo e, cá pra nós, nunca concordei. Eu acredito, sim, na existência de amizade desinteressada entre homem e mulher. Não precisamos sentir atração sexual por todas as pessoas de que gostamos. E, mesmo que sintamos, não precisamos transar com todo mundo. Sempre fui uma mulher de muitos amigos homens, com poucas amigas mulheres, quadro que só começou a mudar de um ano pra cá. As pessoas dizem que quando um homem se torna amigo de uma mulher é porque ele “tá a fim”. Sinceramente? Não creio. Prefiro acreditar que meus amigos ficam ao meu lado pela minha companhia e não pela hipotética chance de uma transa.

  4. Bom Mila na minha opinião não fala de mulheres porque a biblia foi traduzida por homens mortais, com preconceitos como tal. Sabemos que na história da humanidade até algum tempo atrás as mulheres não tinham direito nem a sexualidade, quem dirá a homossexualidade. Ou seja, mulheres eram vistas apenas como objeto de reprocriação, sendo a prática sexual e por prazer somente dos homens.

    Preconceito é falta de informação!

    Abs.

    • Oi, Cah! Que alegria ter você como visitante do meu blog!

      Aí é que está, a Bíblia foi escrita por homens mortais, portanto, mesmo se a mensagem divina fosse verdadeira, não teríamos acesso a ela, já que passou pelo filtro distorcido da turma que compilou esses textos e excluiu outros de acordo com seus interesses políticos.

      “Sabemos que na história da humanidade até algum tempo atrás as mulheres não tinham direito nem a sexualidade, quem dirá a homossexualidade.”

      Falou tudo, mulher!

  5. Acho que a primeira coisa a se pensar, é a tradução da Bíblia que você usou. Não só por isso, o próprio cristão – não estou falando católico, mas cristão – tem dificuldade de saber no que ele diz acreditar. A falta de estudo leva a uma leitura equivocada dos textos, também pela dificuldade de contextualizá-los e de entender seus gêneros literários, entre outras coisas.

    Supondo que a questão seja outra, a psicanálise fala que não existe perversão feminina – de novo, disse psicanálise, não psiquiatria -, o que talvez atente à questão da bissexualidade. Seja como for, o ar de modernismo e de escolha que alguns gostam de apregoar, teria mais a ver com a incapacidade de fazer uma opção, o que seria, então, uma regressão e não um liberalismo.

    Mas eu me pergunto mesmo, qual é a real questão?

    Porque seja por onde for que se queira entendê-la, a resposta é sempre a mesma, a de que as pessoas sejam boas, decentes, olhem pelo próximo. Só que a maioria de nós se perde no caminho, presos às especulações limitantes..

    Beijinho!

  6. Chris, não conheço nenhuma tradução da Bíblia que diga algo muito diferente disso. Mas também estou longe de ser uma especialista em assuntos judaico-cristãos. Eu adoraria ver uma interpretação diferente do tema.

    “A falta de estudo leva a uma leitura equivocada dos textos, também pela dificuldade de contextualizá-los e de entender seus gêneros literários, entre outras coisas.”

    Não só a falta de estudo, mas o próprio estudo! Não fosse assim, não existiriam tantas correntes diferenciadas dentro do cristianismo. Cada um que lê entende de um jeito. Outros adotam o jeito de um líder e desistem de pensar por conta própria. Eu me pergunto se a essência da religião, a “religação” com a espiritualidade, não seria uma interpretação pessoal e intransferível, fruto de questionamentos íntimos que ninguém pode fazer por você.

    “…a psicanálise fala que não existe perversão feminina – de novo, disse psicanálise, não psiquiatria -, o que talvez atente à questão da bissexualidade.”

    A psicanálise diz isso? Arre, então só os homens são pervertidos? Não manjo de psicanálise, mas agora fiquei interessada. Elabore, please!

    “Seja como for, o ar de modernismo e de escolha que alguns gostam de apregoar, teria mais a ver com a incapacidade de fazer uma opção, o que seria, então, uma regressão e não um liberalismo.”

    Tá cheio de meninas por aí virando bi pra pagar uma de moderninhas, Chris. Outras, é simplesmente porque gostam mesmo. Eu não vejo essa pluralidade como “incapacidade de fazer uma opção”, mas simplesmente como um direito de não fazer uma opção. Por que você seria obrigada a escolher uma coisa só se tem vontade de experimentar várias? Se o indivíduo sente atração por ambos os sexos e não está procurando um relacionamento longo e monogâmico, por que ele deveria se limitar?

    Eu ainda espero viver num mundo em que ninguém precise recorrer a um livro sagrado para dizer o que é certo ou errado na vida sexual dos outros. 🙂

  7. Gostei muito de ver as contribuições e pontos de vista de cada um sobre o assunto. Obrigada, pessoal!

  8. É, mulher! Pensar dá trabalho e virar gente grande pode doer…

    Teríamos mais coisas a delongar, mas além do que o seu post já contribuiu para o meu, só para explicitar que a sua terceira citação, “Seja como for, o ar de modernismo e de escolha que alguns gostam de apregoar, teria mais a ver com a incapacidade de fazer uma opção, o que seria, então, uma regressão e não um liberalismo.”, fazia ainda parte da interpretação psicanalítica.

    Beijos!

  9. camila,
    primeiramente fico mto feliz que o texto esteja circulando. não a conheço, mas, ao retribuir a visita, vi que temos muito em comum, espero que possamos criar vínculos literários e felinos que sejam muito frutíferos.

    acho que a questão da homossexualidade feminina na bíblia, que vc colocou no texto, se dá justamente pelo fato de, em primeiro lugar, esse pensamento não reconhece sequer que uma mulher é capaz de desejar outrem sexualmente.

    se o outr@, no caso, for um homem ou uma mulher, nesse contexto, não faz diferença, pois o desejo feminino é tão coibido que ele sequer tem o direito de existir.

    o que é contraditório, posto que o mito de eva é uma das premissas básicas para a explicação gênese segundo o cristianismo.

    em relação à bissexualidade feminina, eu vejo da seguinte maneira: é muito mais fácil para uma mulher cruzar os limites tênues da amizade com outra mulher do que para um homem. o homem gay, na cultura ocidental, é muito mais estigmatizado, e precisa lidar, desde cedo, com problemáticas de auto-afirmação, definição de uma identidade clara, porque o machismo age sobre ele com uma obrigação de dever-ser, ao passo que age sobre a mulher com uma obrigação muito mais no sentido de se anular, deixar de existir… a anulação pra mim é maior que o estigma da amélia, da mãe parideira, o que pesa sobre as mulheres, infelizmente, é, antes de tudo, o silêncio.

    por isso, eu acho que é muito mais difícil para uma mulher, em SP, nos meios de classe média “WASP” onde a figura do “amigo gay” já está consagrada, se assumir lésbica. isso porque existe todo um discurso complexo de fetichização de atos homoeróticos femininos, de modo que eles passam a ser tolerada em alguns contextos, e sob alguns imperativos estéticos, geralmente quando o voyeurismo/participação masculina é permitido.

    é muito difícil para a gente se assumir gay, simplesmente porque não se sente bem transando com homem e/ou pq se sente mais à vontade flertando com diferentes níveis de masculinidade, justamente porque, em primeiro lugar, significa reconhecer socialmente que desejamos. e isso ainda é um tabu muito grande; no limite, é papel do homem desejar, enquanto a nós cabe… cabe o que, mesmo, rs?

    quando eu saí do armário, meu pai não deu a mínima. mas minha mãe ficou absolutamente passada, parou de falar comigo durante quase 1 ano, e eu acredito que isso seja pq ela se sentiu ofendida ao descobrir que uma filha dela pudesse DESEJAR, que é uma coisa que ela nunca se permitiu fazer.

    eu não gosto de comparar sofrimentos, mas estou tentando sistematizar um pensamento. exceções há em todos os lados, e contra-exemplos também. mas pensando em macro-tendências, em sistemas de pensamento, eu acredito que homofobia e sexismo operem de formas diferentes sobre homens e mulheres, em cada caso trazendo conseqüências avassaladoras, mas que devamos tentar destrinchar isso justamente para saber por onde seguir para transformar isso, tanto em termos coletivos quanto individuais.
    beijos,
    m.

    • “O desejo feminino é tão coibido que ele sequer tem o direito de existir.”
      Adorei sua análise, Mariana. Falou tudo. 😉

  10. sobre bissexualidade, alguns pontos:
    existe uma diferença brutal entre beijar por brincadeira e ter dilemas em ser atraída sexualmente por outra mulher… ponto 1.

    os estudos kinsey, que são uma coisa bem datada e com uma metodologia bem questionável hoje em dia, já diziam que existem muitas gradações e não um padrão para nenhum dos comportamentos (hetero/bi/gay). o estranho é que isso causa muito mal estar hoje em dia, porque o que predomina é o desejo de classificações irrefutáveis, científicas e absolutas.

    o ponto 2 é que eu acho válido as pessoas expressarem a sexualidade delas COMO BEM ENTENDEREM, porém sinto um pouco de desconforto porque ouço de muitas dessas pessoas que assumem uma atitude pró-ativa e ‘moderna’ tipo pego minhas amigas relatos de extrema angústia e mal-estar.
    e não acho que é porque elas não “decidiram”, é pq elas não aceitam a pluralidade do desejo delas e ficam desestabilizadas, ainda mais considerando-se que há uma cobrança externa muito forte por comportamentos lineares e “definidos”.

    sem contar que muitas dessas “minas q beijam amigas” revelam visões homofóbicas e sexistas, reproduzindo aquelas dicotomias perniciosas, tipo “beijo mulher na balada mas só namoro homem, jamais apresentaria uma mulher pra minha mãe”, que é uma espécie de desenvolvimento da divisão entre “pessoa pra casar e pessoa pra pegar”.

    então, pra mim, existe um grande equívoco aí. o que se evidencia é que o tradicionalismo, o patriarcalismo, a homofobia continuam latentes, e são recriados em alguns contextos e com outros tons.

    eu já tive muito contra a bissexualidade, pela minha visão política da sexualidade, presente em um discurso de lésbica militante. hoje em dia eu relativizo esse ponto de vista, mas esbarro nessa questão- liberdade, onde?, se o que se faz é em muitos pontos tão conservador quanto os sistemas tradiconais de classificação de sexo/papéis de gênero?

    eu respeito a sexualidade do ser humano como uma coisa multifacetada. tenho muitas confluências com o pensamento da teoria queer, que, se vc não conhece e se interessa, é mto bacana de visitar.

    • Mariana, eu compreendo e respeito a militância, mas na minha cabeça sexo e política não se misturam. Desejo é desejo, feliz daquele que assume o seu, azar daquele que o teme. 😉

  11. A quem interessar possa; bem, vejo que a maioria aqui não tem ou diz não ter muito conhecimento da bíblia, eu, ja tenho lido algumas vezes e mais de uma vez além de ter aprendido com outros e por mim mesmo e atravéz do que acredito ser a atuação divina em cada um que aceita e crê na verdade. Do meu ponto de vista so bre o assunto acho que a bíblia é claramente contra o homossexualismo. Quanto a questão se isso se aplica ao homossexualiusmo feminino realmente não lembro de referencias específicas sobre isso, mas talvez esteja implícito,ou explícito. Porém queria dizer que a b´blia em nenhum momento condena ou estigmatiza o desejo feminino, por exemplo; há uma lei mosaica em que se diz para o homem recém casado alegrar(“alegrar” seria dar prazer, lógico) sua esposa pelo menos um ano antes de sair a guerra. Além disso não se deve atribuir a bíblia boa parte das “doutrinas” ditas bíblicas, pois ha muita tradição humana e falsas opiniões ditas por muitas religiões que nada tem de bíblicas. Mas, para não deixar minha opinião sobre o tema em questão sem uma posição eu diria que o homossexualismo seria contrário a criação, uma vez que Deus fez homem e mulher, sendo que o que foge disso contrariaria a natureza, porém sei que isso as vezes não depende de escolha, mas isso não significa que esteja certo. No mais espero não ter confundido muito aqueles que lêem esse meu comentário.

    • “…o homossexualismo seria contrário a criação, uma vez que Deus fez homem e mulher, sendo que o que foge disso contrariaria a natureza, porém sei que isso as vezes não depende de escolha, mas isso não significa que esteja certo.”

      Também não significa que esteja errado. Certo e errado nada têm a ver com aquilo que a gente gosta – e com quem gosta – de fazer na intimidade. Se é para falar de coisas que contrariam a natureza, podemos citar pílulas anticoncepcionais, transfusão de sangue, transplante de órgãos, remoção de tumores, massagem cardíaca e demais procedimentos para curar, reanimar e salvar vidas, já que todos são intervenções artificiais feitas por seres humanos, e não por Deus. É pra ser feliz? Por mim, pode contrariar a natureza à vontade. 😉

      • O certo e o errado tem a ver com as questões morais, se o que se gosta não tivesse nada a ver com isso então não poderíamos criticar, digamos, a pedofilia. Então vê-se por aí que não é apenas liberar algo por que a pessoa gosta, tem pessoas que gostam de matar, mentir, adulterar, etc.

  12. Só que nesse caso, Isaac, você está falando de atos que envolvem submeter ou forçar outra pessoa a fazer algo que não quer. Para mim a diferença entre sexo forçado e sexo consensual é bem clara, nem precisaria de muita explicação. Fazer sexo como gay, lésbica, bi ou o que seja não implica forçar ninguém a nada. É pena que a legislação de certos países não entenda isso.

  13. Em Romanos 1.26, “A idolatria e a depravação humana” Paulo fala tb sobre a homossexualidade entre as mulheres a saber : “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas, contrário à natureza;”
    O efeito da perversão da adoração instintiva a Deus é a perversão de outros instintos, que se afastam de suas funções apropriadas. As Escrituras encaram todos os atos homossexuais sob essa luz(Lv 18.22; 21.13), a conseguência é a degradação do corpo (v.24), a dominação a concupiscência, a desintegração daquilo que é verdadeiramente “natural”(v.26) e a escravidão a paixões incontroláveis(v.27).

    • Oi, Lilian, eu não sabia disso, obrigada por informar! Deve ser muito triste a vida de quem vive acreditando nessas palavras.

    • Lilian, concordo com voçe sobre a bíblia reprovar todas as formas de homossexualismo, mas acredito que no texto em questão pode estar se referindo ao “uso natural da mulher no contrário à natureza”, ou seja; o homem usar de práticas contrárias a natureza, talvez o sexo anal, e neste texto referido esta muito mintensamente reprovado a relação entre homens, logo a seguir no texto, “semelhantemente os homens se inflamaram em sua sensualidade entre si, cometendo torposa…e recebendo em si mesmo a consequencia de seus atos…”. Bem, e so para completar, para não parecer que estou defendendo o homossexualismo sabemos que a bíblia proibia que homens vestissem roupas de mulher e mulher de homem.

      • Independentemente do que a Bíblia aprova ou deixa de aprovar, o meu blog, assim como eu, é absolutamente favorável a que homens usem roupas de mulher, mulheres usem roupa de homem, homens façam sexo anal entre si, mulheres botem as aranhas pra brincar e tudo mais que desejem fazer, desde que todas as partes envolvidas estejam de acordo. Portanto, respeito as suas crenças e o seu direito de expô-las, mas quero avisar que se aparecerem comentários homofóbicos por aqui eu vou entender como uma ofensa a diversos amigos meus e vou apagar sem direito a resposta, belê? Não, não estamos numa democracia, estamos no meu blog. Beijocas a todos. ;-P

  14. Quanto a homofobia, isso e uma calúnia, pois estamos discutindo o que a Bíblia diz, o que aliás foi sugerido no artigo que deu tema a esses comentários. Sim cada um é livre pra fazer o que quizer, até certo ponto, ex: assassinar, roubar,etc…

    • Precisamente por isso é que eu não excluí o seu comentário anterior, Isaac. Calúnia é quando a gente acusa alguém falsamente, e eu não fiz isso. Eu estava advertindo futuros comentadores sem noção. Sem mania de perseguição, OK?

  15. Eu falei calúnia, por haver alusão de que haveria homofobia em meu comentário, pois o que eu tentava explicar era o que acredito a Bíblia dizer, em quem acredito. É uma questão de acretitar e, ou seguir algo. Se temos uma forma de pensar ou crer, tudo bem, é um direito que acredito a Bíblia reconhecer, apesar de alertar as consequencias, mas se desejamos afirmar algo baseado em declarações já existentes então acho que devemos ser fiéis ao texto ao qual estamos nos baseando, e não usá-lo distorcidamente para afirmar algo que queiramos dizer.
    Quanto ao que eu citei; “uso natural da mulher”, o texto se refere, acredito, à pratica de algo com alguem.

    • “…se desejamos afirmar algo baseado em declarações já existentes então acho que devemos ser fiéis ao texto ao qual estamos nos baseando, e não usá-lo distorcidamente para afirmar algo que queiramos dizer.”

      Pois é, Isaac, faz séculos que as seitas cristãs estão fazendo exatamente isso: usando a Bíblia distorcidamente para afirmar algo que queiramos dizer. É por isso que não existe um só tipo de cristianismo, mas vários. Fico feliz que você reconheça isso. Fico feliz que você tenha suas próprias crenças.

      Pra finalizar, eu nunca disse que o seu comentário era homofóbico e sim que se surgissem comentários do tipo eu iria apagá-los. Pareceu uma boa hora para avisar. Leia direito e não distorça as minhas palavras, ou quem estará praticando calúnia será você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s