Preconceito capilar?

Photobucket

Há uns anos um rapaz inglês me contou que lá na sua terrinha as pessoas tinham o hábito de zombar descaradamente das pessoas de cabelo vermelho, como se possuí-los fosse algo constrangedor. Não é novidade o ser humano achar os pretextos mais estapafúrdios para escarnecer do seu semelhante, mas entre a simples tiração de sarro e a opressão violenta há um limite – infelizmente tênue.

Em 2007 esta família inglesa contou à polícia e à imprensa que já havia mudado de casa duas vezes por conta de agressões, inclusive físicas, contra seus quatro filhos ruivos.

Como é que é? Preconceito capilar?

É isso aí. Enquanto na arte a ruivice é sempre o tom dos atrevidos, dos sedutores, dos impulsivos – copiado por dezenas de moças que recorrem à farmácia mais próxima em busca de um destaque visual que expresse sua personalidade ousada (uma tímida jamais pintaria o cabelo de vermelho) – os ruivos legítimos enfrentam preconceito e inferiorização num dos lugares do mundo onde mais existem ruivos naturais. O rapazinho que conheci não mentia. O ruivo sofre preconceitos (mesmo que não no Brasil). Já cheguei a ler em mais de um lugar que o cabelo carmesim é indicação tradicional de personalidade raivosa e explosiva. Bobagem certamente perpetrada pelo mesmo tipo de invejoso que espalhou que louras são burras.*

Photobucket

O mais curioso de tudo é que não se trata aqui de preconceito contra quem vem de outro país, etnia, religião ou formação cultural. É apenas cabelo, droga.

Parece que a massa ignara está mesmo programada para odiar o que é diferente.

(Mas há no meio de nós alguns programados para sentir atração pelo diferente. Não é segredo para ninguém que sou doida por cabelo vermelho. Talvez eu seja uma ruiva que nasceu morena e que acha uma maravilha aqueles rapazes tímidos que morrem de vergonha quando alguém lhes pergunta se suas barbas vermelhas são mesmo daquela cor e… bem, deixa pra lá.)

Mesmo com tudo isso, não se vê (eu pelo menos nunca vi) um ruivo ou ruiva natural que por gosto, discrição ou medo do que quer que fosse pintasse os cabelos de outra cor.

Não. Eles sustentam orgulhosamente suas cabeleiras de fogo. Três mil vivas a isso.

Em homenagem a toda essa ruividade e em repúdio ao preconceito a fotógrafa Jenny Wick montou a exposição Raiz de Gengibre: um estudo sobre cabelo vermelho. Reproduzo aqui a matéria da BBC Brasil online. O link é cortesia da amiga Giseli Ramos.

Photobucket

Fotógrafa retrata fascínio e preconceito contra ruivos; veja

Uma exposição em Londres está mostrando a obra da fotógrafa inglesa Jenny Wicks, que retratou o fascínio e o preconceito sofrido por pessoas ruivas.

A exposição Raiz de Gengibre: Um estudo sobre cabelo vermelho – a palavra “ginger” (“gengibre”) também significa “ruivo” em inglês – está em cartaz na galeria Idea Generation. A obra de Jenny Wicks sobre pessoas ruivas já gerou um livro e um filme.

Segundo a fotógrafa, a exposição destina-se a mostrar como a sociedade vê os ruivos, um traço físico que é comum na Irlanda e na Escócia, mas mais raro no resto do mundo.

Alguns dos retratados falam do preconceito que sofrem por ter cabelo ruivo.

A reação da minha mãe ao descobrir que seu primeiro filho era ruivo foi chorar incontrolavelmente“, disse um dos retratados.

Nicola Walters, outra retratada, afirma que “ser ruiva é definitivamente algo que eu tive que me acostumar a ser. Quando era pequena, sempre me pareceu que eu estava mais em apuros do que as demais pessoas – simplesmente porque era mais fácil me identificar! Mas hoje eu não mudaria minha aparência por nada deste mundo.”

Photobucket

“Geralmente os ruivos são retratados com uma conotação negativa, mas nós queríamos fazer uma exposição que celebrasse esse traço”, disse a gerente da galeria, Eloise Rowley.

A fotógrafa Jenny Wicks explica que a morte de sua mãe, que era ruiva, a levou a tentar investigar as pessoas que trazem o gene recessivo que produz características tão diferentes do resto das pessoas.

“Originalmente, eu fui inspirada por dois dos filhos do meu irmão, que têm cabelo ruivo. O livro é um tributo às pessoas com cabelo desta cor, mas também é uma investigação da loteria genérica que nós todos jogamos”, diz Wicks.

As fotos que aparecem aqui são todas da exposição. Com exceção da que segue abaixo, que não poderia faltar: o meu ruivo preferido.

Photobucket

E para não perder a chance de partilhar uma curiosidade: os neandertais eram ruivos! Bom, alguns deles. Pelo menos é o que indica um novo estudo. Uma amostra de DNA extraída de ossos de neanders permitiu resgatar um gene conhecido como MC1R – que nos seres humanos é responsável pelos cabelos vermelhos. Leia mais aqui.

Anúncios

33 comentários sobre “Preconceito capilar?

  1. Tive um amigo ruivo chato para ca%$&lho. Isso lá pelos 13 anos de idade. Mas sempre tive a impressão de que se ele tivesse o cabelo de outra cor pegariam menos no pé dele (e de repente ele seria menos chato). Depois conheci um ruivo bem mais interessante e perdi o preconceito (mentira, nunca tive preconceito… mas que ele era chato…)
    Sempre achei que mulheres ruivas ganhassem cantadas e homens ruivos ganhassem cascudos… interessante que o preconceito rompa as barreiras do sexo 🙂 Bjss!

  2. Lu, pois é, tem doido pra tudo neste mundo.

    Eric, estranhamente tenho essa mesma impressão sobre ruivos e ruivas. Uma coisa considerada exótica e até sensual numa mulher pode ser vista como motivo de piada num homem. Mas também, mulher ganha cantada por qualquer coisa, e homem, cascudos… Mundinho bobo e machista este nosso. Ainda bem que ele muda o tempo todo (e ainda assim continua o mesmo…).

  3. Mila, ia ser legal ver você fantasiada de ruiva 🙂 Seria o casal vermelhinho 😛
    Mas a cor de fábrica lhe cai bem, of course…
    Belo post, assim mais gente fica sabendo desse preconceito infundado (e inusitado, admito) e aprende a apreciar de vez a beleza das ruivas e dos ruivos.

  4. Sou ruiva e, particularmente, acho interessante e bonito ter um atributo que para os outros é diferente, a ponto de que os outros queiram pintar seus cabelos da mesma cor… Entretanto, aqueles que colorem seus cabelos não integram também as inúmeras sardas que não estão restritas apenas àquelas considerandas bonitinhas para dar charme… De qualquer forma, acho que o “ser” ruivo não está só no cabelo, mas nas experiências que fez com que ele se perceba diferente em vários momentos da vida… Sejam eles quando a criança está na escola e é chamada (brincando é claro…) de apelidos maldosos, seja quando depois de mais velha descobre que os “carinhas” tão bacaninhas e iguais a você acham que é estranho sair com uma pessoa “sardenta demais”… Enfim, são vários motivos que, durante meus vários anos, me fizeram pensar nos padrões “ideais” de beleza que cultivamos há tanto tempo… Ditamos assim – sobretudo implicitamente – o “fora” aos gordos, aos deficientes e a tantos outros que, apesar de não ostentarem atributos étnicos e religiosos que sejam evidentes, são postos na periferia social. Pior de tudo, é uma periferia enrustida neste caso, pois onde acontece o preconceito não é no tal do mercado de trabalho nem nas grandes coisas que acontecem no dia-a-dia, mas naquelas pequeninas… Como bem ilustra o infame comercial da doriana, que pelo jeito já foi tirado do ar… Claro… Tudo com a intenção de fazer uma brincadeira, nunca a de ofender ninguém…

  5. Ruiva, dá pra ver por seu endereço de e-mail que você é capilarmente bem resolvida. Também não teria razão de não ser, ao menos no Brasil, onde nunca vi ninguém criticar os cabelos vermelhos naturais.

    Vale lembrar:

    1. Nem só de cabeças ruivas vivem as sardas. Muitos louros, morenos, castanhos e até japoneses as têm, seja no corpo ou no rosto. Eu, morena, tenho-as aos montes no rosto.

    2. Sardas demais, pele muito pálida, pernas muito curtas, mãos muito longas, cabelo crespo demais, cabelo liso demais, excesso de peso, falta de peso… Ninguém está totalmente livre de complexos. Se não for por uma razão, será por outra. Mas a beleza depende também de quem vê. Por isso belezas incomuns são para observadores incomuns. 😉

    Obrigada pela visita. 🙂

  6. Prezados.
    Nao sou ruivo mas sou um grande apreciador dos ruivos…Acho uma ruiva com sardas a mais linda das mulheres. Tanto que fiz até um site no orkut homenageando as mulheres ruivas, onde so adiciono ruivas naturais (orkut = kero ruivas). Portanto, só posso chegar a uma unica conclusão: quem de alguma forma discrimina, so pode ser por inveja!!! Ruivas,voces são maravilhosas! Voces são especiais!!!

  7. Ah isso que a Camila fala no blog é a pura verdade, qdo era pequena sofria muito pelos apelidos..”Grampola”, “Cabeça de fósforo” dentre outros e odiava chamar a atenção ate q “tentei” pintar meu cabelo pra passar despercebida, mas ficou HORRIVEL!!!! pq nao ocmbinou com a minha pele e mto menos com meu rosto heheheheheh daí deixei vir o natural de novo e agora ja to me acostumando de novo, mas o que me deixa mto chateada é a inveja das pessoas, ja duas vezes quase apanhei qdo perguntaram a cor q eu pintava e disse q era natural..ninguem acredita, pq minhas sombrancelhas sao mais escuras, mas como a amioria das ruivas tenho sardas no rosto e em algumas partes do corpo.
    Mas tudo bem o que vale é o q a gente eh, quem não acreditar q eh natural problema é delas, mas minhas fotos de criancinha nao mente heheheheheh

    Entao ruivas em geral nao deem bola pras piadinhas dos outros sabe pq? pq depois q tu cresce e eh adolescente os mesmos carinhas q te tiravam no colegio pedem hj pra ficar contigo heheheheheehe eh engraçado

    abração a todos e paraben spelo blog

    Carol

  8. Carol, nunca achei que essa baboseira existisse aqui no Brasil também, onde os ruivos naturais são mais raros. Vivendo e aprendendo.

    Eu amo cabelo ruivo, amo, amo, amooooooo. Os ruivos e ruivas naturais ganham meu olhar fácil, fácil. Não entendo como uma cor de cabelo pode ser vista como defeito. Não existe cor “feia” ou “errada”, existe a melhor cor para cada pessoa, e felizmente há também gosto pra tudo.

    Obrigada pela visita. 😉

  9. Oi Mila, pois é aqui no Brasil já me aconteceu essa discriminação, tbm não consigo entender o pq, só sei q aprendi a lidar hj com isso, ainda tem dependendo do lugar que vou a discrimanação..do tipo..ah ja q tu nao diz a cor que tu pinta teu cabelo, não pode ficar no grupo. Mas tbm assim como tu, tem mtas pessoas que elogiam, que vem me contar que tem irmã ou tia ate mesmo filha com essa cor de cabelo e isso me tranquiliza qdo converso com essas pessoas GRAÇAS A DEUS QUE VCS EXISTEM!!!
    E se um dia eu tiver uma filha ou filho ruivo não vou deixar pintar, e vou ajudar sempre com a discrimanação, pq ela infelizmente ainda existe e fez parte da minha vida durante 20 anos, sempre com apelidos maldosos e irritantes.
    Mas como eu ja disse Mila, hj com 23 anos ja aprendi a lidar com isso e ignoro qdo me acontece, finjo q nao e comigo eh a melhor maneira, pq se tu entra na “pira” deles e discute é pior..
    Mas Mila, teu blog eh mto legal, adorei ler ele e eh mto bom saber q tem pessoas como vc!!!!!!

    Beijos
    Carol

    • Oi, Carol,

      Parece que todo mundo já sofreu discriminação de algum tipo por não se encaixar num grupinho. Muita gente me enche o saco por eu ser baixinha. Engraçado é que, por mais que me encham, não consigo ver isso como um defeito. Para mim é simplesmente um fato, como ter olhos verdes ou castanhos, pele branca ou morena, ombros largos ou estreitos.

      Não tenho nenhum problema com minha altura, ou melhor, baixura, rs! Tenho um problema é com quem tem um problema com minha altura. Com gente tosca e grossa que, por não ter nada interessante para dizer, acha que esse é o assunto do dia. Um pouquinho mais de conteúdo, sim? Minha competência ou valor pessoal não são definidos pelos meus centímetros para cima, assim como você não é definida pela cor do seu cabelo. Tem gente que não gosta de ruivos, tem gente que não gosta de nanicos. E tem gente que adoraaaaa! Viva a diversidade!

      A maioria das pessoas não gosta do que é diferente, seja pela aparência, seja pela atitude, pelas idéias… Mas tem quem enxergue essas diferenças como algo mais a absorver. Por que rejeitar a novidade quando ela pode acrescentar tanto às nossas vidas? Eu quase sempre aprendo alguma coisa com quem é diferente de mim.

      Obrigada por passar mais uma vez por aqui. Agora, você falou tanto da sua ruividade que me deixou curiosa, rs! Por que não manda logo uma foto sua pra todos os ruivos e apreciadores de ruivos aqui verem a sua cabeleira?

      Beijão.

  10. Amei teu comentário!!!!! Eh verdade neh tem gente q implica até com os baixinhos, tbm nao sou alta tenho 1,60 eh sempre complicado alcançar as coisas, mas eu gosto =)))))

    Mando várias sim, tenho uma qdo estava em SC no ano novo do ano passado hehehehehe e tenho varias pequeninhas tbm, tenho tbm da minha formatura do 3 ano hehehehehehe mas como posso mandar?

    Tu pode me passar teu email? Mando pro teu email e se tu quiseres pode publicar aqui sem problemas =)))))

    Beijossss

  11. ola!
    muito obrigado por defenderes os ruivos!
    eu sou ruiva e tambem estou abituada a sertos comentarios menos,apropriados e justos!!
    ´há gentinha que nao sabe ver a diferença!
    por vezes perguntam me se eu gosto de ser ruiva ou se preferia ser loira ou morena ?
    e o que eu respondo? que nao sei? ser ruiva(o) tem coisas boas assim como más! mas tambem ja estou abituada!

    • Caramba, Catia. Esse povo não tem mais o que fazer, hein? Se você preferisse ser morena ou loira em vez de ruiva, você tingiria os cabelos, né? Haja pergunta besta…
      Quando alguém te perguntar isso de novo, sugira que a pessoa leia um pouco mais para ter coisa mais interessante a dizer.

      Estou impressionada com a quantidade de pessoas ruivas que continuam aparecendo aqui para mostrar que, estranhamente, mesmo aqui no Brasil há comportamentos estranhos em torno dos ruivos. Bom, gente, é nisso que dá se destacar na multidão, né? Tem que aguentar com classe a falta de classe dos outros. E sustentar com orgulho quem somos. Afinal, pra que ser igual a todo mundo quando se pode ser diferente? 😉

  12. ola
    sim muitas vezes e fazem essa pergunta.
    eu nao sou do brasil.
    a tanto racismo que muitas amizade que e fazem as vezes depois de saerem que somos ruivos deixam de ser nossos amigos por puro racismo!!
    eles nao compriendem que se vocem eles nao gostariam que lhes fizessem isso!
    vou dizer uma coisa que acho que algumas pessoas nao sabem ou secalhar nenhuma mas a pessoas que pessam que os ruivos sao russos!!!
    que deprimente!!
    eu muitas vezes digo eu nao sou russa tu nao me chamas isso,e se fosses enteligente saberias que os russos sao loiros nao ruivos e que por acaso a mulher que foi considereda a mais bonita do mundo é russa!
    e que algumas mulheres ruivas tambem sao consideradas por muitos as mais bonitas!!
    haja paciencia para esta gente!!
    obrigado camila por seres uma defenssora desta comunidade!!
    p.s-achei muito bom terem feito uma publicidade sobre os ruivos! pode ser que passesm a dar mais importancia e a conhecer melhor as pessoas de cabelo avrmelhado!!

  13. Eu acho que os ruivos não sofrem tanta discriminação quanto nós afrodescendentes.Tenho verdadeira obssessão por homens ruivos de olhos claros,assim como o ator Eric Stoltz.Eu o acho o cara mais lindo do planeta! E por falar neste assunto,a Lindsay Lohan é ruiva natural e vive pintando o cabelo de preto ou louro.

    • Oi, Nanda! Aqui no Brasil, que eu saiba, os ruivos não sofrem preconceito algum – no máximo, há gente que não curte cabelo vermelho e rosto sardento, mas até aí, gosto é gosto. Acho que esse preconceito burro só existe no Reino Unido. E você tem razão, a Lindsey Lohan vive mudando a cor dos cabelos! Recentemente a ruivíssima Cate Blanchet também ficou morena para fazer o papel de Lady Marion no novo Robin Hood. Ela também aparece loira de vez em quando. Mas no mundo do cinema isso é normal; mudar a cor dos cabelos, ficar bronzeado, ganhar ou perder peso faz parte da caracterização de cada personagem vivido nos fillmes. ;-D

  14. bom sou Filho de russo com mãe monena e eu e minha irma são ruivos olhos não azuis mais cor de me sabe eu não vejo pro nem preconceito da minha familia eu e minha irma samos unicos ruivos brancos eu to mas bronzeado pois pego sol minha irmairmã não ela é mais branca que eu mais isso n infruencia em nada eu acho os ruivos lindos embora ei n seja um Ruivo puro mais eu tenho em meu sangue

  15. meus cabelo esta um pouco queimado de sol mais sou ruivo ate embaixo e todo original de fabrica nunca mudei ou pintei meu cabelo jaate pensei mais depois acabei desistindo se Deus te fez de um jito não mundo por ninguem deum jeito ou outro a sociedade nos aceita

  16. Esse é o bebê mais lindo que eu já vi… tenho uma certa fascinação por pessoas ruivas, ou albinas e que são consideradas diferentes por muitos… Eu ia amar se eu casasse com um ruivo pra meus filhos serem assim também, sou tão apaixonada que até já pensei em tingir o cabelo hahaha Infelizmente nem na Inglaterra nobre ou na Africa do sul pobre as pessoas estão imunes ao preconceito, afinal eu acho que não existe imunidade a ignorância

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s