Divina Piada

texto de 2006

Só pode ser piada, ela pensou revirando os olhos.

O metrô sacolejava anormalmente e com ele oscilava a menina que insistia em ficar de pé. Quatro anos no máximo, sustentada a contragosto pelas mãos da mãe, crispadas em torno de seus braços gorduchos. Gorduchos: não há crianças magras na geração fast food. Logo a obesidade voltará a ser o conceito de beleza predominante, ponderou ela, por força ou por símbolo de prosperidade – para ser magro hoje em dia, só quem não tem o que comer.

Seus olhos voltaram à menina, já que seus ouvidos não conseguiam se desligar dela. Cantarolava um funk, a língua pouco hábil tropeçando na letra cujas palavras ela provavelmente não compreendia. Só isso lhe perdoava o mau-gosto.

Observou enquanto a mãe aborrecida olhava ao redor e percebia o desagrado geral dos passageiros. Decidiu que reprimir a filha era melhor do que incomodar estranhos e começou a ralhar. A menina não obedeceu. O tapa forte nas nádegas não foi a solução. A cantoria foi trocada por um choro insistente, calculado para despertar o arrependimento da mulher, que procurou abafar a cena enfiando uma chupeta na boca da filha. Esta desabou de propósito no chão, obrigando a mulher a pegá-la no colo.

Crianças são um porre, avaliou ela, e mães são ainda piores. Então, lembrou-se com nojo de que não menstruava havia 4 semanas, e todo mundo sabe o que isso quer dizer.

Só pode ser piada, repetiu de si para si. Mas era pouco provável que Ele tivesse senso de humor. Grávida, eu? De que jeito? Tinha algum encanto, mas os homens a entediavam, especialmente quando se aproximavam dela. Eram então repugnantes. Já pensara em mulheres, mas como a entediavam! Achava o sexo supervalorizado. O amor, então, nem se fala: este, sim, uma piada, e bem sem-graça. Amar essa gente, como?

Deve ser castigo. Sim: pelos anos que passara dizendo-se atéia. Não é que eu não acredite em Deus, tentara explicar uma vez aos pais. É só que eu não preciso Dele. E não precisava mesmo, certo? Precisava de emprego, de dinheiro, de comida, de vez em quando de música e até de amigos, embora muito pouco. Mas de Deus? Quando lhe ofereceram Deus ela não soube usá-lo para nada. E como esse fato causasse horror à maioria das pessoas, ela procurara os grupos anti-religião, os ateus organizados, cultos, engajados. Achou-os irritantes. Eles querem erguer bandeiras e mudar o mundo. Eu só quero chocolate e um controle-remoto.

Mas aí viera o sonho, e ela teria jurado que era efeito da tequila, se não fosse tão real. O anjo entrara pela porta, gostoso como um galã de cinema, sentara-se no único sofá do apartamento, piscara os olhos feitos de céu e passara as mãos pelos cabelos de sol, com ar contrariado. E soltara: Você receberá um presente de Nosso Senhor. Você dará à luz o filho de Deus na Terra.

Depois, acendeu um cigarro e foi embora.

Até então ela pensara: Sonho besta. Será que meu subconsciente não tem coisa melhor pra fazer? Mas agora eram três semanas sem sangue.

Não devia ser castigo, porque ela já tinha lido a Bíblia e os castigos de Deus normalmente eram mais criativos. Teria esperado virar uma estátua de sal, mas, no lugar disso, engravidara após seis meses sem uma só trepada e ia ser o instrumento de Deus na segunda vinda do Messias. Para muitas mulheres, teria sido uma bênção.

Então, era isso? Nem piada nem castigo. Era salvação. O metrô deu um solavanco e ela se desequilibrou.

– Eu não quero ser salva, merda!

Todo mundo, até a criança gorda, parou para olhá-la, embora isso não lhes desse nenhuma resposta. Desistiram. O trem parou, as portas se abriram, ela saiu do vagão como o hausto final de um moribundo. Xingou de novo. Depois, riu. Ele queria salvá-la. Nada de punição. Na nova ordem mundial, até Deus quer ser politicamente correto e, em vez de sentar porrada, passa a mão na cabeça da gente. Desse jeito, vale a pena ser pecador.

Já sentia cólicas. Então, é assim que começa?, pensou. Uma dorzinha de nada, chatinha só, depois os vômitos e os tais desejos de grávida? A coisa só piora. Comigo, não. Tô fora. Não quero ser salva. Gosto da minha vidinha besta. Amanhã mesmo procuro uma clínica de aborto.

Não; clínica deve ser o olho da cara. Agulha de tricô tá fora de questão. Amanhã falo com a Glorinha; ela é tão vaca que já engravidou umas três vezes e tirou todos, só teve o nenê do Digão porque ele tem grana. Deve ter um remédio pra tirar isso, erva, comprimido, eu sei lá. Mas eu vou tirar.

– Salva isto, Senhor!

Riu alto e fez um gesto ofensivo em direção ao céu enquanto entrava no prédio. Subiu as escadas, tinha medo de elevador. O vizinho que descia a cumprimentou alegre. Ela conhecia o tipo e retribuiu com um sorriso doente. Todo dia era o mesmo sorrisinho e de vez em quando ele vinha pedir coisas, o clássico pacotinho de açúcar, ou convidá-la para um café. Sai pra lá, pensou. Desiste que eu não vou dar pra você, não. Sabe com quem você tá falando, mané? Com a mãe do filho de Deus! Vai encarar? Vai? Hein?

Que bom se toda dor de barriga fosse só vontade de cagar, pensou arriando o jeans. Mas a cólica chatinha persistia. Urinou sem pressa e limpou-se com preguiça. Olhou para o papel higiênico.

Caiu numa gargalhada demorada, gostosa, como há muito tempo não ria. Levantou-se e olhou para o interior do vaso: um fio grosso de sangue escuro se misturava ao amarelo da urina.

– Tchau-tchau, nenê – murmurou, apertando a descarga.

Anúncios

2 comentários sobre “Divina Piada

  1. Super Fodástica Mila…

    Você escreve de maneira forte e verdadeira sobre as mulheres, suas personagens femininas tem ossos, carne, pele, pêlo, estrias, manchas, cheiro, saliva, mucosas, muco.. e almas densas e como neste conto, sombriamente perturbadas.

    “-Caos Reina”, disse a raposa no “Anticristo” do Lars Von Triers… mas você sabe retratar esse caos de forma apaixonante.

    Parabéns !

    • Afff Jorge… eu vou TER que ver esse filme. Rs! Muito obrigada pelo comentário, fico feliz que tenha gostado e enxergado essas dimensões na personagem. Ela se parece mais comigo do que eu planejava. Beijão…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s